Quinta-feira, 28 de Setembro de 2000


Chefes de inteligência de 5 países avaliam Plano Colômbia

BRASíLIA - Integrantes dos serviços de inteligência de Brasil, Colômbia, Equador, Panamá, Peru e Venezuela reuniram-se quinta-feira em Brasília para avaliar as possíveis consequências militares do Plano Colômbia.

Iniciativa do presidente Andrés Pastrana, o Plano Colômbia, que tem como objetivo acabar com o narcotráfico e com a guerrilha na região com o apoio dos Estados Unidos, despertou o temor entre os países vizinhos de uma possível propagação da violência fora das fronteiras colombianas.

A Agência Brasileira de Inteligência Nacional (Abin) afirmou em um comunicado que o encontro de Brasília "constitui um exercício multilateral de inteligência sobre o tema".

"Temos uma preocupação comum "pelo Plano Colômbia, comentou o embaixador equatoriano no Brasil, Diego Ribadeneira.

Os países vizinhos da Colômbia aumentaram o controle de suas fronteiras para conter as possíveis consequências do plano, no qual foram investidos 7,5 bilhões de dólares, dos quais 1,3 bilhão dos Estados Unidos.

Nesta semana, o Brasil lançou a operação policial Cobra para controlar a eventual entrada de traficantes de drogas pelos 1.644 quilômetros de fronteira comum.

O comunicado da Abin limitou-se a assinalar que os participantes alcançarão um alto grau de consenso nas análises apresentadas pelas seis delegações.

Acrescentou que "por consenso foram adotados mecanismos e procedimentos com o objetivo de aperfeiçoar o intercâmbio de inteligência entre os serviços."

Sub-Menu Amazônia

frigoletto@bol.com.br